G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Tópicos similares
    Últimos assuntos
    » MUSEU ONLINE
    Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

    » MUSEU ONLINE
    Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

    » MUSEU ONLINE
    Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

    » MUSEU OINLINE
    Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

    » MUSEOLOGIA
    Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

    » JORNAL DOSSABORES
    Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

    » LITERATURA
    Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

    » O LIVRO
    Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

    » O LIVRO
    Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

    Buscar
     
     

    Resultados por:
     
    Rechercher Busca avançada
    Rádio TugaNet
    Geo Visitors Map
    Agosto 2017
    DomSegTerQuaQuiSexSab
      12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
    CalendárioCalendário

    Compartilhe | 
     

     Caminhos de OLIVENÇA

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
    AutorMensagem
    linomendes



    Número de Mensagens : 328
    Data de inscrição : 16/06/2010

    MensagemAssunto: Caminhos de OLIVENÇA   Sex Ago 31, 2012 8:46 pm

    CAMINHOS
    DE OLIVENÇA
    [

    TRINTA DE AGOSTO DE DOS MIL E DOZE: A MAIOR NOITE DE FADOS DE SEMPRE EM OLIVENÇA







    Noite quente, mas não abafada. Rua da Caridade, sobre uma calçada portuguesa, de feitura recente. Com o edifício da Misericórdia de Olivença, com dois brasões portugueses (um deles "picado") e um brasão espanhol. Um "café" novo (o bar Picasso). Um estrado, luzes, amplificadores e microfones. 21:30, hora espanhola. Mesas e cadeiras cobrindo metade da longa rua. Muita gente de pé. Decididamente, expetativas excedidas. Uma assistência maior do que em qualquer outra destes eventos.
    Noite de Fados. Como num preâmbulo , um membro da Associação autóctone "Além Guadiana" (que luta pela recuperação da Cultura, Língua, e História, locais) a grande impulsionadora do que vai acontecer. Depois, sobem ao palco os dois instrumentistas, Mário Carriço e Paulo Cachinho. Depois, a fadista Soraia Branco. De negro, apesar de o seu nome significar "raio de sol", e do deu apelido constituir também um contraste.
    Soam a viola e a guitarra. E Soraia canta. E encanta. O público participa, batendo palmas, acompanhando refrões e estribilhos. É visível o entusiasmo, o prazer. Como dizia uma oliventina, era noite de "mergulhar nas raízes.
    Até o Presidente da Câmara (o alcaide) vem dar uma curta espreitadela. Algumas das cadeiras, porque as do Bar eram insuficientes, pertenciam à edilidade. Mesmo assim, não chegaram.
    A fadista, que já cantara em Olivença em 2010, acompanhada então por outros fadistas, está mais madura. E domina rapidamente a espetáculo. Um tanto surpreendida, talvez, no início, com tanta assistência, ela adapta-se e interage com o público. Até se cantam os "Parabéns a Você", pois uma espatadora fazia anos.
    Pedem-lhe que cante, uma e outra vez. Soraia anuncia que vai terminar. Mas não era possível, e os fados seguem-se, entremeados por solos virtuosos que os instrumentistas, de tempos a tempos, oferecem.
    A fadista está cansada, mas sente que o ambiente não lhe dá possibilidades de repousar tão cedo. Ela é uma artista, e sabe "medir o pulso" à audiência. Quase no fim, perto da meia-noite, pedem-lhe que cante "por uma lágrima". E ela fá-lo, com algum sofrimento, mas de forma brilhante.
    O espetáculo termina. Todos estão felizes, artistas e público. Muito poucas pessoas se ausentaram antes do fim, apesar de o dia seguinte ser de trabalho.
    Olivença, terra de mitos, sonhos, e sofrimento. Cada vez surpreendes mais quem te visita. As tuas reações são cada vez mais inesperadas. Será esse o teu fado?
    Estremoz, 31-AGOSTO-2012
    Carlos Eduardo da Cruz Luna

    Voltar ao Topo Ir em baixo
    Ver perfil do usuário
    lino mendes
    Admin


    Número de Mensagens : 869
    Data de inscrição : 27/06/2008

    MensagemAssunto: LINHAS DE ELVAS   Qui Set 13, 2012 3:57 pm

    Jornal "LINHAS DE ELVAS", 13 de Setrembro de 2012
    (Fotografia do palco com a artista e os acompanhantes a atuar)
    SORAIA BRANCO ENCANTA

    Noite quente, mas não abafada. Rua da Caridade, sobre uma calçada portuguesa, de feitura recente. Com o edifício da Misericórdia de Olivença, com dois brasões portugueses (um deles "picado") e um brasão espanhol. Um "café" novo (o bar Picasso). Um estrado, luzes, amplificadores e microfones. 21:30, hora espanhola. Mesas e cadeiras cobrindo metade da longa rua. Muita gente de pé. Decididamente, expetativas excedidas. Uma assistência maior do que em qualquer outra destes eventos.
    Noite de Fados. Como num preâmbulo , um membro da Associação autóctone "Além Guadiana" (que luta pela recuperação da Cultura, Língua, e História, locais) a grande impulsionadora do que vai acontecer. Depois, sobem ao palco os dois instrumentistas, Mário Carriço e Paulo Cachinho. Depois, a fadista Soraia Branco. De negro, apesar de o seu nome significar "raio de sol", e do deu apelido constituir também um contraste.
    Soam a viola e a guitarra. E Soraia canta. E encanta. O público participa, batendo palmas, acompanhando refrões e estribilhos. É visível o entusiasmo, o prazer. Como dizia uma oliventina, era noite de "mergulhar nas raízes.
    Até o Presidente da Câmara (o alcaide) vem dar uma curta espreitadela. Algumas das cadeiras, porque as do Bar eram insuficientes, pertenciam à edilidade. Mesmo assim, não chegaram.
    A fadista, que já cantara em Olivença em 2010, acompanhada então por outros fadistas, está mais madura. E domina rapidamente a espetáculo. Um tanto surpreendida, talvez, no início, com tanta assistência, ela adapta-se e interage com o público. Até se cantam os "Parabéns a Você", pois uma espatadora fazia anos.
    Pedem-lhe que cante, uma e outra vez. Soraia anuncia que vai terminar. Mas não era possível, e os fados seguem-se, entremeados por solos virtuosos que os instrumentistas, de tempos a tempos, oferecem.
    A fadista está cansada, mas sente que o ambiente não lhe dá possibilidades de repousar tão cedo. Ela é uma artista, e sabe "medir o pulso" à audiência. Quase no fim, perto da meia-noite, pedem-lhe que cante "por uma lágrima". E ela fá-lo, com algum sofrimento, mas de forma brilhante.
    O espetáculo termina. Todos estão felizes, artistas e público. Muito poucas pessoas se ausentaram antes do fim, apesar de o dia seguinte ser de trabalho.
    Olivença, terra de mitos, sonhos, e sofrimento. Cada vez surpreendes mais quem te visita. As tuas reações são cada vez mais inesperadas. Será esse o teu fado?
    Estremoz, 31-AGOSTO-2012
    Carlos Eduardo da Cruz Luna
    Voltar ao Topo Ir em baixo
    Ver perfil do usuário
     
    Caminhos de OLIVENÇA
    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
    Página 1 de 1
     Tópicos similares
    -
    » Cap. 6 - O Caminho de Pedra

    Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
    G.P.S.C. de Montargil :: História e Património :: Sala da Cultura-
    Ir para: