G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Tópicos similares
Últimos assuntos
» MUSEU ONLINE
Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

» MUSEU OINLINE
Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

» MUSEOLOGIA
Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

» JORNAL DOSSABORES
Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

» LITERATURA
Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Rádio TugaNet
Geo Visitors Map
Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 CARLOS LUNA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: CARLOS LUNA   Qui Abr 12, 2012 2:55 pm

CORREÇÃO DE UM ERRO HISTÓRICO PESSOAL!!!

NOTA: eu, que tanto critico erros alheios, cmeti um nas notas! Na (1), onde queria escrever "leoneses", coloquei "portugueses" AGORA ESTÁ CERTO!!!!!!!!!!
Hoy, 08-Abril-2012 (no final, notas pessoais; são notas que não pretendem atacar o cidadão Servando, que conheço bem, mas sim algumas das suas posições!!!)
(fotografia com Olivença e o entrevistadfo:«Mostrando Olivenza. Servando Rodríguez Franco, en su pueblo, cuya belleza hispano-portuguesa enseña a los turistas. Casimiro Moreno»)


«EN OLIVENZA NO HUBO GUERRA DE LAS NARANJAS, NO LLEGÓ A DISPARARSE UN TIRO»

«Servando Rodríguez; Responsable de la oficina de Turismo de Olivenza»
«Mis padres, entre ellos, solo hablaban portugués en casa. Mi madre me riñó en Portugués hasta que se murió»
«Los portugueses hacen turismo nostálgico. Vienen a ver algo que era suyo y perdieran. No se organizan, no llaman a Turismo»


Nace en San Jorge de Alor, una de las cinco aldeas "portuguesas" de Olivenza. Las otras cuatro son Táliga, que ya es município, Villarreal, que no era de Olivenza, sino de Juromenha hasta 1801, San Benito y Santo Domingo. En sSan Jorge hay 500 habitantes. Llegó a tener más de mil.
Hoy-A Qué se dedicaban sus padres?
Servando -Mi padre trabajaba en el campo hasta que por los años 60 se fue a Suiza y luego estuvo 15 años en Alemania. Fui hijo de emigrante. Mi padre venía en Navidad a coger la aceituna de los olivares que había ido comprando con los ahorros. Era como los Reyes Magos: venía de Alemania y venía en Navidad. Traía regalos que por aquí no había. Mi madre y mis dos hermanas se quedaron solitas porque yo me fui a estudiar a un seminario de hermanos maristas en las cercanías de Madrid. Mi padre me recogía en Madrid y llegábamos los dos hombres de la casa en vacaciones.
Hoy-Como llega a ese seminario?
Servando-Venia un hermano reclutador, el hermano Ladislao, la persona más buena del mundo. Llegó un día a la aldea con su sotana en un Seat 600 alquilado. Se acercó a la escuela y nos contó cómo era aquello. Me pareció una aventura muy bonita y le dije que sí desde el primero momento. Mis padres me apot«yaran y me fui. Alli estudié hasta 3.º de Bachillerato y ya me vine aquí, donde acabé el Bachillerato. Estudié portugués en la Escuela de Idiomas de Madrid.
Hoy-Que presencia tenía el Portugués en su vida durante la infancia?
Servando-Todo. Mis padres, entre ellos, solo hablaban en Portugués en casa. Mi madre a mi siempre me niñó en Portugués hasta hace año y pico que se murió. Sin embargo, a quienes nacemos a finales de los 50, princípios de los 60, ya se dirigen a nosotros en español, cosa que no pasaba con sus padres. Mi madre con mi abuelo solo hablaba en portugués. Los únicos que hablábamos solo en castellano éramos los niños. De tal manera que una vez pasó por el pueblo una família portuguesa con un niño. Nos dimos cuenta de que el niño hablaba portugués y fuimos todos detrás de aquel niño porque en nuestra cabeza no cabia que un niño hablara aquella lengua que era de los mayores, no la de los niños.
Hoy-Habia más presencia de lo Portugués en la vida cotidiana?
Servando-El idioma era la mayor presencia que habia porque nadie se sentía portugués. Ellos hablaban de lo portugués con ese cierto tono despectivo que se empleaba en el resto de Extremadura. Ellos ya eran españoles y mis abuelos, también. En lo demás era todo Extremadura: la comida, los costumbres.
Hoy-Que situación turística se encuentra cuando llega a la oficina en 1993?
Servando-El turista que venía por aqui era de Extremadura, de Portugal, y, según la época del año, de Madrid o de Andalucia. Habría que llamarlo excursionista más que turista. Olivenza recibe muchos grupos de autobús: escolares y mayores, gente que prácticamente no se queda a comer, no gasta demasiado. El turista eds lo que viene con la feria del toro: viene la família, se quedan a comer y a dormir, vienen unos días antes. Ahora sigue habiendo más excursionistas, pero se va notando un cambio. A finales de los 90, el turismo empieza a crecer mucho. Olivenza tenia cerca de 60 000 visitantes anuales. Hace un par de años empezó a bajar. Este año se ha recuperado, pero tenemos mucho campo por hacer. La crísis quizás nos beneficie al turismo de interior.
Hoy-Los portugueses como vienen a Olivenza, con que actitud?
Servando- Ellos no vienen aquí como turistas, sino a ver una cosa que es suya y que la perdieran. No se organizan, no llaman a la oficina de turismo para saber los horarios. Vienen a ver los escudos de Portugal, es un turismo nostálgico.
Hoy-Como se explica la história de Olivenza en Portugal?
Servando-Ellos se quejan de que ahora los maestros no se preocupan de explicar la história de Olivenza a los niños, pero a los mayores si se la explicaron. Como necesitan demostrar que Olivenza es portuguesa, retuercen los argumentos y empiezan los morigenes de Olivenza falsamente como portugueses. Que después se pierde y se recupera y se fijan en la parte final, cuando con la Guerra de las Naranjas se produce una ocupación ilegal.
Hoy-Y como se explica usted a los portugueses que visitan Olivenza?
Servando-Nosotros la explicamos de otra manera. La parte final es más complicada, pero claro, en 1801 existe el derechpo de conquista, que visto desde el punto de vista de hoy no tiene sentido. Yo empiezo contandoles que la primera vez que aparece Olivenza es en un documento de 1257 que se conserva en el archivo de la Catedral de Badajoz. En él, el reciente obispado dice cuales son los ímites de la diocésis, dentro de los cuales deben enterrarse sus fideles y el documento dice del lado de acá del río Olivenza. Luego aparece en un pleito que surge entre Alconchel y Badajoz. Cuando en 1230 el rey Alfonso IX toam Badajoz y sigue camino de Sevilla, para consolidar estas posiciones, entrega el castillo de Alconchel a la orden templaria, que puebla en la zona de Olivenza. desde Badajoz se quejan al rey que los templarios han repoblado en tierras que no eran de ellos, sino de Badajoz. En eses documento aparece Olivenza. Los templarios están aqui 28 años hasta que el rey da la razón a Badajoz y se tienen que ir. De todo esto, los portugueses no hablan nada, aunque los documentos están ahí(1).
Hoy-.El cambio de nacionalidad, cuando Olivenza pasa a ser española en 1801?
Servando-La moderna historiografia portuguesa está empezando a considerar la Guerra de las Naranjas como la primera invasión francesa. Antes contaban tres invasiones y ahora cuentan cuatro. Carlos IV les declara la guerra formalmente. Además se la declara a su hija poruqe la reina consorte de Portugal es su hija. Es una guerra rapidisima porque la diferencia de fuerzas es muy grande. En Olivenza en realidad no hubo guerra. Simplemente se cercó la plaza, se le dijo al gobernador que si se rendia.
Hoy-Entonces se rinde sin resistencia?
Servando- El gobernador de Olivenza enttrega la plaza sin pegar un tiro poruqe si se resiste, las consequencias para la población hubieran sido muy graves. De hecho lo condenaran a muerte en Portugal pero le conmutaron la pena. Juromenha también se entregó sin resisténcia. En Olivenza no hubo Guerra de las Naranjas. No llegó a dispararse ni un tiro. Los portugueses consideran que España entra con Francia a tomar Portugal (2). El tratado de Viena es consecuencia de la caída de Napoleón. A eses tratado, Portugal mamda un buen embajador a defender sus intereses: el Duque de Palmela. El conde de la Torre, que creo que era extremeño, va por parte española. Lo primero que hacen los portugueses es reivindicar Olivenza y meten el artículo 105, donde se reconocen los derechos de los portugueses y se estipula que los españoles y los portugueses deben reunirse para que se devuelva. Los portugueses dicen que ahí se dice claramente que se devuelva y los españoles argumentan que solo se dice que se reúnan para ponerse de acuerdo. España no fiorma el Tratado en erse momento, sino tres o cuatro años después. El embajador español no se opuso mucho a esto. Por esa época, desde Brasil se toma el territorio de las Siete Misiones, el actual Uruguay, y desde España se dice que si no devuelven esos territorios, no pueden reivindicar Olivenza(3).
Hoy-En este contexto, qué le parece la comemoración de la Guerra de las Naranjas?
Servando-Los portugueses aprovechan cualquier cosa. Ellos reivindican Olivenza, aunque su gobierno no lo haga de manera acdtiva, y cualquier cosa les da alas. Había una buena intención en Olivenza desde el pinto de vista del turismo porque esta corporación municipal e4stá muy interesada en desarrollar el turismo. Olivenza podría tener una fiesta que atriga gente, además de la de los toros. Por eso se pensó en este espectáculo. Aquí la Guerra de las Naranjas no tuvo conflicto ninguno. Se haq intentado cambiar y que la representación tenga que ver con la historia de Olivenza y a mi me parece bien porque así, la gente de aquí y del resto de Extremadura conocerá mejos la historia, como transcurre desde el siglo XIII hasta ahora. Estoy de acuerdo en que se haga algo así, que atriga el turismo.
Hoy-Que opina de nuevas asociaciones que han surgido para el fomento de las relaciones con Portugal como es el caso de Além Guadiana?
Servando-A mi me han invitado a pertenecer a ella, pero me sentiria un poco raro si hubiera pertenecido a esa asociación porque he notado cierto acompañamiento de grupos portugueses, aunque la asociación no tiene culpa, pero podrían instrumentalizarla. Otra cosa que no entiendo de esa asociación es que si por el 85 empezaron los Encuentros de Ayuda, si tenemos unos fondos portugueses en la biblioteca que no los tienen ni las universidades portugueseas, sin embargo parece como si esta asociación ignorara todo el anterior, como si empezaran de cero. Lo entiendo porque la mayor parte de sus miembros son gente nueva, que ha dejado de lado todo lo que se había hecho antes, que se podría haber aprovechado.
Hoy-El Grupo de Amigos de Olivenza?
Servando-Nace en Lisboa (4). Salazar no les reconoce y no pueden funcionar como asociación hasta que no llega la democracia. Se creó otro grupo en Estremoz y acabaron absorbidos por el de Lisboa. Presionan continuamente a las autoridades portuguesas para que no se olviden del tema. Pero estas autoridades saben que no hay vuelta de hoja con la cuestión. Cuando ha habido cumbres hispano-portuguesas y han aparecido estes grupos a meter baza, los mantienen a un kilómetro de la sede de la cumbre. Tienen unas anteojeras, confunden el deseo con la realidad (5). En el siglo XIX, quizás, pero hoy es imposible que ningún vecino de Olivenza diga que quiere ser portugués, Otra cosa es que se intente que los oliventinos conozcan sus raíces. Eso sí es interesante (6). (FIM)
_____________
Notas pessoais:
(1) Já se sabe que Olivença foi conquistada em 1230 poer Templários leoneses. Mas... era uma aldeia. Por outro lado, terras como Ayamonte e San Lúcar foram conquistadas pelos portugueses, bem como Aroche e Aracena. Em 1297, o Tratado de Alcañices definiu Olivença como portuguesa. Nas trocas de então, foram deslocadas populações. Olivença só se tornou importante sob domínio português, recebendo foral em 1298 e incentivos para o povoamento. Até 1801, fez parte de Portugal, e muiotos dos seus filhos contribuíram para a História lusa. O entrevistado, que sabe disto, "pula" logo para 1801, desprezando 604 anos de história. Será isto ser imparcial?
(2)Não por acaso, o Tratado de Badajoz de 1801 só seria considerado válido se TAMBÉM se assinasse um tratado de paz com a França....
(3) Várias coisas são omitidas aqui. Por exemplo, em 1811, o Município Oliventino pediu a reitegração em Portugal, coisa que espanhóis e ingleses não permitiram. Por outro lado, em 1814, em Paris, ficou acordado que todos os tratados assinados debaixo da influência da Franlça Napoleónica (incluindo o expressamentye citado Tratdo de Badajoz de 1801) seriam considerados nulos. Espanha assina o artigo 105 sem pôr quaisquerreservas, em 1817, o que invalida a Questão do Uruguay. Aliás, em termos de Direito Internacional, a ocupação de um território não pode justificar a ocupação de um terceiro... e isto desde o século XVIII. Finalmente, a diplomacia portuguesa aceita sair do Uruguay logo que cheguem tropas espanholas. Em 1820, as tropas que se preparavam para sair de Espanha com esse destino resolvem fazer a Primeira Revolução Liberal em Espanha. Porque a situação tornou inviável o envio dessssas tropas em 1820. 1831, 1822, 1823, tanto mais que em 1822 o Brasil se declarou independente (reconhecido em 1825) e o Uruguay seguiu o mesmo caminho em 1828 (reconhecido como tal por Espanha em 1835), Portugal considerou que não fora possível, e por culpa de Madrid, a "transação" Olivença-Uruguay, pelo que o acordo de 1815 continuava a estar em vigor!
(4)fundado por um oliventino, Ventura Ledesma Abrantes.
(5) Servendo esquece-se das reivindicações espanholas sobre Gibraltar (desde 1704) e argentinas sobre as Malvinas /(desde 1833). Parece que, neste caso,não se trata de "anteojeras", mas sim atos determinados!!
(6)Em resumo, desde que uma ocupação ilegal se prolongue durante 200 anos, se escondam a História, as raízes (daí a necessidade que o entrevistado vê em que os oliventinos conheçam as suas raízes; quem os levou a esquecer?), se combata o uso da língua "nativa", se promovam deslocações de população (caso dos funcionários públicos...), tudo se torna LEGAL. Pena que a Espanha não aplique o mesmo princípio a Gibraltar, onde 99 % da população votou CONTRA a união a Espanha...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: OLIVENÇA   Qui Abr 26, 2012 12:59 am

LOGUE "PENSAR ANSIÃES", 22-Abril-2012
Bom dia, Olivença!: Daniel Conde
Bom dia, Olivença!

Vem aí mais um 25 de Abril, com todo o seu simbolismo de Liberdade para Portugal e os portugueses. No entanto, é uma data que continua a esquecer que existe um município português onde a Liberdade ainda não chegou: Olivença.

Soube há dias numa rede social que o autarca de Olivença quer levar a cabo uma recriação da Guerra das Laranjas, num gesto de refinado barbarismo diplomático, já condenado por autarquias vizinhas. A “Questão de Olivença” – tão desconhecida por se ter tornado diplomaticamente num tabu – nasceu aquando da invasão espanhola latrocina à vila alentejana em 1801, quando nada justificava a agressão, ficando a invasão conhecida como a Guerra das Laranjas. Esta vila, pedaço da pátria desde 1230 e como tal novamente confirmada pelo Tratado de Alcanices de 1297 – tratado onde Portugal ganhou alguns territórios, mas também cedeu outros ao então Reino de Castela e Leão – foi assim entregue a Espanha, e firmou-se o Tratado de Paz de Badajoz, no primeiro artigo do qual se estabelecia que haveria “paz, amizade e boa correspondência” entre os dois Estados Ibéricos.

Seis anos depois, em aliança com a França Napoleónica, a “paz, amizade e boa correspondência” foi mandada para as urtigas com o Tratado secreto de Fontainebleau, no qual o “Príncipe da Paz” Godoy – o mesmo que houvera promovido a Guerra das Laranjas – concertou com o próprio Napoleão Bonaparte a passagem das tropas francesas por Espanha para a invasão de Portugal, e a total divisão do território português continental e ultramarino por Espanha e pela França, após uma vitória que demasiado cedo tiveram por certa. Em suma, este acto anulava inequivocamente as disposições do Tratado de Paz de Badajoz, fazendo com que Olivença devesse ser reanexada a Portugal.

Não obstante, derrotada a França Napoleónica e a Espanha sua aliada, a Europa inteira, reunida pelo Tratado de Viena de 1815, estipulou que os territórios de Olivença deveriam ser devolvidos a Portugal, resolução reconhecida tacitamente por Espanha em 1817. Desde então Portugal nunca mais reconheceu direitos ao país vizinho sobre Olivença, e disso fazem eco decisões como as de classificar a Ponte da Ajuda como monumento de interesse nacional em 1967, e a recusa sobre a construção de uma nova ponte ao lado desta como projecto transfronteiriço, sendo esta construída e financiada inteiramente por Portugal no ano 2000, e sobretudo pelo facto de nunca se terem colocado os marcos fronteiriços correspondentes ao concelho de Olivença até hoje.

Numa busca pela Internet, a pesquisa por “Rua de Olivença” devolve 234 mil resultados, demonstrando ser uma artéria comum a várias localidades portuguesas. E no entanto, a integração clara e inegável de Olivença enquanto território português continua a ser ignorada em todos os mapas e encapotada em todos os discursos diplomáticos apesar das evidências da sua portugalidade, como a língua portuguesa que ainda lá se fala com o inegável sotaque alentejano, ou a calçada e a doçaria tipicamente portuguesas que não encontram eco em redor na Extremadura espanhola.

Faz-me confusão que esta usurpação prossiga, e pior, que se faça troça de quem a queira ver discutida com toda a dignidade que o tema impõe, justificando que Olivença foi “perdida” há tanto tempo – e tem havido tantas coisas mais prementes a tratar nos últimos 195 anos, certo? – que é ridículo debater a “Questão”. Não consigo ver como poderá ser assim tão complicado estabelecer um regime transitório excepcional, que garanta aos oliventinos que a sua passagem à cidadania portuguesa de pleno direito seja um processo tranquilo e honroso. Como? Ajustando o seu regime tributário e contributivo (impostos e outras contribuições) gradualmente, e garantindo que os seus actuais direitos sociais – no que diz respeito por exemplo a reformas e pensões – sejam mantidos; introduzindo o sistema educativo de forma gratuita para o Ensino Básico durante o período de transição; elevar o passado e a tradição portuguesa de Olivença nas suas diversas manifestações, convidando todos os demais portugueses a redescobrir este concelho tão especial, entre tantos outros gestos de estreitamento de laços que, ademais, até já estão no terreno.

Esta afronta promovida pelo autarca de Olivença deveria ser o toque a rebate definitivo, tanto para os povos de Portugal e Espanha, como sobretudo para os seus diplomatas. Olivença é de jure portuguesa, por muita tinta que se gaste a tentar dizer o contrário. É urgente discutir com franqueza e com coragem a “Questão”, e exigir a Espanha o que esta ratificou em 1817 perante a Lei Internacional: a restituição à pátria portuguesa do concelho de Olivença.

Quando se colocarem milhares de bandeiras nacionais nas janelas das casas portuguesas no próximo Campeonato Europeu de Futebol, que todos se lembrem que um pedaço dessa bandeira continua rasgado desde 1801.

Daniel Conde

Vila Real, 22 de Abri
l de 2012
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
lino mendes
Admin


Número de Mensagens : 869
Data de inscrição : 27/06/2008

MensagemAssunto: >Carlosluna   Sex Maio 18, 2012 8:02 pm

SEMANÁRIO "SOL" (o rival do Expresso)//18 Maio 2012// Página32//TIMOR, OLIVENÇA, 20 de MAIO, ALÉM GUADIANA

20 DE MAIO, TIMOR E OLIVENÇA
Vinte de Maio de 2002. Ganhva a independ~encia um povo sofrido. Um povo que resistiu contra tudo e contra todos. Apoiado por um país europeu com relativamente pouco peso na cena internacional. Que também, contra toda a lógica, insistiu que era possível o que parecia impossível, e que só se é derrotado quando se desiste de lutar. Uma atitude quixotesca, talvez, mas que se revelou, para além de justa (que sempre o foi), exequível, contra todas as probabilidades. E... o data de vinte de Maio viu-se inscrita a ouro na História. E já lá vão dez anos...
Vinte de Maio de mil oitocentos e um. Um governador militar, perante um ataque
iminente, decide capitular. Afinal, o invasor mais não é que um peão
manobrado por uma potência exterior. Lutar para quê ?
Vinte de Maio de mil oitocentos e um. Espera-se que, tal como sucedeu em
situações anteriores, tudo volte a ser como antes quando uma verdadeira paz
for assinada. O invasor sairá então.
Vinte de Maio de mil oitocentos e um. Olivença capitula, sem disparar um tiro.
A população inquieta-se, mas confia. Com o tempo, tudo regressará ao normal.
Muitos anos antes, em mil seiscentos e cinquenta e sete, ocorrera algo
idêntico. Quase todos tinham fugido, para regressar onze anos depois. Tudo se
recompusera.
Não houve sangue. Uns poucos (os pessimistas!) atravessaram o Guadiana. Em
Elvas, o invasor encontraria resistência, bem como em Campo Maior. Na
primeira, conseguiu uns ramos de laranjeira. Na segunda, acabou por vencer, mas
a que preço!!!
(...) Vinte de Maio de dois mil e doze em Olivença. Madrid mantem a posse da cidade.
Ali, ao contrário de Timor, não houve duzentos mil mortos.Nem mil. Nem cem.
Nesse aspecto, não pode haver comparações. Mas quase se matou uma cultura. Ou, pelo
menos, ela ficou vazia, moribunda. Em duzentos e onze anos, muito se consegue.
Recorrendo à repressão, quando necessário. Às claras, ou discretamente.
Olivença viu ser sangrada a sua cultura e a sua história. Viu gente sua
dispersa, numa sangria dos seus filhos. Não morreu na carne. Morreu no
espírito. O passado tornou-se um conjunto de sombras vagas, contraditórias,
falsidades contra as quais quase não consegue reagir. Perdeu as referências.
Mas... não todas!! A Cultura não morreru totalmente, e parece ressurgir em vários aspetos. Por iniciativa de um grupo de seus naturais. Através de um grupo autóctone, o "Além Guadiana", desde dois mil e oito. Que muitos órgãos de comunicação social preferem ignorar!
Vinte de Maio. Uma data no calendário. Consoante o ano, o início de uma
ocupação persistente, contínua, preocupada em apagar um passado de seiscentos
anos, numa população que resistiu com fracos recursos e apoios. Ou o início
da vida independente de um povo. Que sofreu, mas venceu. Que a diplomacia nunca
abandonou. Corajosamente. Crente em princípios.
Mil oitocentos e um. Dois mil e dois.Dois mil e doze, recordando.
Dois vinte de Maio...

Estremoz, 16 de Maio de 2012 Carlos Eduardo da Cruz Luna

__________________________________________________________________________________________________

TEXTO ORIGINAL
DEZ ANOS DE TIMOR LIVRE (ou... VINTE DE MAIO, DATA DE SIGNIFICADO CONTRADITÓRIO)
Vinte de Maio de 2002. Ganhva a independ~encia um povo sofrido. Um povo que resistiu contra tudo e contra todos. Apoiado por um país europeu com relativamente pouco peso na cena internacional. Que também, contra toda a lógica, insistiu que era possível o que parecia impossível, e que só se é derrotado quando se desiste de lutar. Uma atitude quixotesca, talvez, mas que se revelou, para além de justa (que sempre o foi), exequível, contra todas as probabilidades. E... o data de vinte de Maio viu-se inscrita a ouro na História. E já lá vão dez anos...
Vinte de Maio de mil oitocentos e um. Um governador militar, perante um ataque
iminente, decide capitular. Afinal, o invasor mais não é que um peão
manobrado por uma potência exterior. Lutar para quê ?
Vinte de Maio de mil oitocentos e um. Espera-se que, tal como sucedeu em
situações anteriores, tudo volte a ser como antes quando uma verdadeira paz
for assinada. O invasor sairá então.
Vinte de Maio de mil oitocentos e um. Olivença capitula, sem disparar um tiro.
A população inquieta-se, mas confia. Com o tempo, tudo regressará ao normal.
Muitos anos antes, em mil seiscentos e cinquenta e sete, ocorrera algo
idêntico. Quase todos tinham fugido, para regressar onze anos depois. Tudo se
recompusera.
Não houve sangue. Uns poucos (os pessimistas!) atravessaram o Guadiana. Em
Elvas, o invasor encontraria resistência, bem como em Campo Maior. Na
primeira, conseguiu uns ramos de laranjeira. Na segunda, acabou por vencer, mas
a que preço!!!
E veio uma paz falsa e logo violada. E outras guerras. E uma paz verdadeira, em
que se apagou o vinte de Maio de mil oitocentos e um. Para todos. Mas não para
o invasor. .
Vinte de Maio de dois mil e dois. Nasce uma nova nação. Gerada no sofrimento.
Combatendo a indiferença. Com sangue, muito sangue.
Vinte de Maio de dois mil e dois. Esta data ficará na História. Vinte sete
anos depois do seu acto ilegítimo de ocupação, a Indonésia viu surgir nas
suas fronteiras um novo país ao qual, até então, quisera negar a liberdade, apoiada por um
grande deste mundo, em nome da estabilidade do seu próprio regime. Como se se
pudessem invadir vizinhos só porque o sistema político não agrada. Não há
lei que tal contemple. As instâncias internacionais nunca aceitaram (mas estiveram próximo disso)o a
legalidade da ação.
Em vinte de Maio de dois mil e doze, recordemos esta lição. Portugal não pode
esquecer o heroísmo de todo um povo, e pode orgulhar-se de o ter ajudado de
forma decisiva. Portugal combateu uma situação de violação do Direito
Internacional. Sem desfalecimento. Contra (quase) tudo e (quase) todos.
Independentemente do peso dos adversários. Apenas porque acreditou que era
justo fazê-lo. E independentemente das dificuldades que se lhe deparam, hoje,
em dois mil e doze.
Vinte de Maio de dois mil e doze em Olivença. Madrid mantem a posse da cidade.
Ali, ao contrário de Timor, não houve duzentos mil mortos.Nem mil. Nem cem.
Nesse aspecto, não pode haver comparações. Mas quase se matou uma cultura. Ou, pelo
menos, ela ficou vazia, moribunda. Em duzentos e onze anos, muito se consegue.
Recorrendo à repressão, quando necessário. Às claras, ou discretamente.
Olivença viu ser sangrada a sua cultura e a sua história. Viu gente sua
dispersa, numa sangria dos seus filhos. Não morreu na carne. Morreu no
espírito. O passado tornou-se um conjunto de sombras vagas, contraditórias,
falsidades contra as quais quase não consegue reagir. Perdeu as referências.
Mas... não todas!! A Cultura não morreru totalmente, e parece ressurgir em vários aspetos. Por iniciativa de um grupo de seus naturais. Através de um grupo autóctone, o "Além Guadiana", desde dois mil e oito. Que muitos órgãos de comunicação social preferem ignorar!
Vinte de Maio. Uma data no calendário. Consoante o ano, o início de uma
ocupação persistente, contínua, preocupada em apagar um passado de seiscentos
anos, numa população que resistiu com fracos recursos e apoios. Ou o início
da vida independente de um povo. Que sofreu, mas venceu. Que a diplomacia nunca
abandonou. Corajosamente. Crente em princípios.
Mil oitocentos e um. Dois mil e dois.Dois mil e doze, recordando.
Dois vinte de Maio...

Estremoz, 16 de Maio de 2012 Carlos Eduardo da Cruz Luna





LINHAS DE ELVAS,17-Maio-2012
AMIGOS DE OLIVENÇA ESTIVERAM PRESENTES NA CIMEIRA IBÉRICA
O Grupo dos Amigos de Olivença marcou presença na XXV Cimeira Luso-espanhola, no Porto, para alertar os chefes de Governo de Portugal e Espanha para a situação daquela localidade fronteiriça.
A delegfação pretendeu chamar a atenção dos dois governos no sentido de resolverem o "litígio fronteiriça".
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
lino mendes
Admin


Número de Mensagens : 869
Data de inscrição : 27/06/2008

MensagemAssunto: cARLOS lUNA   Seg Maio 21, 2012 12:32 am

O CLARIM. MACAU, 18-Maio-2012

Macau é solução para Olivença
A cidade de Olivença é disputada por Portugal e Espanha, desde 1801, ano em que as tropas espanholas, cínica e manhosamente concertadas com a França Napoleónica, invadiram Portugal, ocupando grande parte da região do Alto-Alentejo, na torpe e aleivosa «Guerra das Laranjas». Olivença está situada na margem esquerda do rio Guadiana, a 23 quilómetros da cidade portuguesa de Elvas e a 24 quilómetros da cidade espanhola de Badajoz.

O PRESIDENTE do Grupo dos Amigos de Olivença, Fernando Castaninha, defendeu, em declarações à agencia Lusa, que a reintegração de Olivença nos mapas político e geográfico de Portugal deverá ser feita «através de uma fase de transição de 20 a 30 anos», num processo idêntico ao de «Hong Kong e Macau».
No passado dia 13 de Abril completaram-se 25 anos desde a assinatura da Declaração Conjunta (do Governo da República Portuguesa e do Governo da República Popular da China sobre a Questão de Macau). O processo de transição ficou concluído, doze anos depois, com a transferência de soberania, a 19 de Dezembro de 1999.
O Grupo dos Amigos de Olivença, criado em 1938, vem exigindo aos sucessivos Executivos de Lisboa e Madrid o início de conversações, com vista à reintegração de Olivença em Portugal.
Na base da reivindicação estão as disposições da Acta Final do Congresso de Viena (Áustria), assinada, em 9 de Junho de 1815, pelas principais potências europeias: Inglaterra, França, Áustria, Prússia, Rússia, Portugal e Suécia. A Espanha só viria a assinar o documento a 7 de Maio de 1817.
A Acta afastava, formal e definitivamente, qualquer força jurídica resultante de anteriores tratados que entrassem em conflito com as disposições acordadas no Congresso de Viena. Deste modo, o vil Tratado de Badajoz, assinado entre Portugal e Espanha, a 6 de Junho de 1801, foi automaticamente anulado, pois na sua génese esteve a invasão ilegal de Portugal pelas tropas de Napoleão e do rei de Espanha, Carlos IV.
Embora Espanha tenha, com a assinatura da Acta Final, reconhecido os direitos de Portugal sobre as localidades por ela tomadas de assalto, nunca libertou Olivença. A Corte espanhola não provou ser honrada, nobre e altiva, ao manter sob o seu jugo Olivença – «terra entranhadamente portuguesa, que participara na formação e consolidação do Reino, no florescimento da cultura nacional, nas glórias e misérias dos Descobrimentos, na tragédia de Alcácer-Quibir, na Restauração...».
Em Olivença, volvidos 211 anos de brutal, persistente e insidiosa repressão castelhana – hoje falar-se-ia de genocídio e crimes contra a humanidade – tudo o que estrutura e molda uma comunidade (a sua história, cultura, tradições e língua) permaneceu e permanece pleno de portugalidade.
Os oliventinos, mesmo separados do povo a que pertencem, da sua cultura, da sua língua e alienados da sua Pátria, preservam o espírito português e demonstram, pelo sentir colectivo, não renunciar às suas raízes.
Para José Pinto Coelho, presidente do Partido Nacional Renovador (PNR), «Olivença constitui uma ferida na diplomacia entre os dois países ibéricos (Portugal e Espanha), já que se trata de um território português, literalmente roubado pelos espanhóis, logo no início do século XIX. É um caso por resolver!». O dirigente político pergunta «com que moralidade podem os espanhóis queixar-se do rochedo de Gibraltar estar ocupado pelos ingleses, se eles mesmos, há mais de duzentos anos, ocupam solo português. Já era tempo de darem o exemplo e começarem por devolver o que roubaram!».
Para o próximo mês de Junho, está prevista a realização de uma peça teatral subordinada à Guerra das Laranjas, de 1801, episódio que assinala a anexação de Olivença por parte de Espanha.
O Grupo dos Amigos de Olivença esteve reunido, no passado mês de Março, com os diferentes grupos parlamentares da Assembleia da República Portuguesa, tendo pedido aos deputados do CDS-PP para que intercedessem junto do ministro português dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, a fim deste «fazer todos os esforços diplomáticos necessários para anular a mega-representação da guerra que levou à perda de Olivença».
Mais recentemente, o mesmo grupo de cidadãos indignados esteve na cidade do Porto, à porta do local onde se decorreu a XXV Cimeira Luso-Espanhola, para alertar os governantes dos dois países para a situação em que se encontra a cidade fronteiriça.
Dalai Lama pediu RAE
Não é a primeira vez que uma questão de soberania direcciona as atenções para Macau e Hong Kong. Agora foi a vez do presidente do Grupo dos Amigos de Olivença, Fernando Castaninha, defender um processo de transição semelhante – embora mais dilatado – para Olivença, mas já no início deste século o Dalai Lama pedira a Pequim que transformasse o Tibete numa Região Administrativa Especial, dentro do princípio «um país, dois sistemas», pretensão que não foi tida em conta pelo Governo Central.
A este propósito, o embaixador português, José Cutileiro, escreveu: «O Tibete fora mais ou menos independente até a China o ocupar em 1951, mandando para lá depois um pinga-pinga de chineses com quem os nativos se dão mal. O Dalai Lama formou Governo no exílio na Índia e, festejado por Governos e academias, viajou pelo mundo livre, lembrando o martírio do seu povo e pregando concórdia. Alguns tibetanos exigem independência; o Dalai Lama pede autonomia. (...) Organizações Não-Governamentais pediram medidas mais duras; cabeças mais frias sugeriram estatuto como os de Hong Kong ou Macau para o Tibete».
O professor Vinhais Guedes referiu, também num escrito, que «o Dalai Lama tem reclamado de forma pacífica e simples à República Popular da China um estatuto especial para o Tibete por forma a que a cultura e tradições deste antigo país permaneçam inalteráveis. Um tipo de estatuto idêntico ao que vigora em Macau e Hong Kong».

N.d.R. – Este artigo resulta da compilação de vários textos publicados na Internet. O redactor, José Miguel Encarnação, apenas encadeou as ideias, procedendo à sua respectiva edição.

COMENTÁRIO:
ruadosnavegantes.blogspot.com/.../olivenca-e-as-utopias-iberic...
OLIVENÇA REFERIDA EM MACAU
18-Maio-2012


O Semanário "O CLARIM" foi fundado em Macau no ano de 1943 e é propriedade da Diocese de Macau, mas, embora não seja a sua voz oficial, é um instrumento de divulgação da doutrina da Igreja Católica e do pensamento cristão na região de Macau. Porém, o semanário é também um dos jornais macaenses que continua a publicar-se em português, e esse facto, só por si, torna-o um farol da cultura portuguesa naquela região da República Popular da China.
Surpreendentemente, a sua última edição é ilustrada com uma fotografia da belíssima porta manuelina do Palácio dos Duques de Cadaval em Olivença [Câmara Municipal], e com o título "Macau é solução para Olivença". A cidade de Olivença constitui uma ferida nas relações ibéricas. Situada na margem esquerda do Rio Guadiana, foi ocupada em 1801 pelas tropas espanholas concertadas com as tropas napoleónicas durante a chamada "Guerra das Laranjas".Porém, o Congresso de Viena, assinado em 1815, inclui uma Acta final em que a Espanha reconhece os direitos de Portugal sobre as localidades por ela tomadas de assalto, embora nunca tivesse libertado Olivença. Oficialmente, o Governo Português não reconhece a soberania espanhola sobre Olivença, e, muito timidamente, considera aquele território português "de jure", mas também há muitas outras opiniões que insistem que Olivença deveria ser reintegrada no território português. Uma dessas vozes é a do Grupo dos Amigos de Olivença, que defendeu que a reintegração de Olivença nos mapas político e geográfico de Portugal deverá ser feita "através de uma fase de transição de 20 a 30 anos", num processo idêntico ao de "Hong-Kong e Macau". Talvez por essa analogia, o semanário macaense destacou este complexo assunto ibérico para a sua primeira página, que é muito semelhante às reivindicações marroquinas sobre Ceuta e Melilla e à reivindicação espanhola sobre Gibraltar. São processos históricos ibéricos que o tempo transformou em utopias, porque a vontade das populações está hoje acima de quaisquer direitos históricos, sejam eles portugueses, espanhóis ou marroquinos.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: CARLOS LUNA   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
CARLOS LUNA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» 2° MUSAL 2010 - atualizado
» EMB-120 Brasilia - FAB
» B 727-200,agora Avensa,Venezuela
» CONVERSÃO DE 747-400 PARA 747/8i LUFTHANSA REVELL 1/144
» TRANSATLÂNTICO AIDA LUNA - REVELL 1/400 - ILUMINADO Finalizado

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
G.P.S.C. de Montargil :: Comunicação DIVULGAÇÂO :: Noticias Gerais-
Ir para: