G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Tópicos similares
Últimos assuntos
» MUSEU ONLINE
Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

» MUSEU OINLINE
Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

» MUSEOLOGIA
Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

» JORNAL DOSSABORES
Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

» LITERATURA
Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Rádio TugaNet
Geo Visitors Map
Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 Encontro com a NATUREZA Plantas e ervas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: Encontro com a NATUREZA Plantas e ervas   Dom Jan 29, 2012 4:19 pm







ColaboraçãoDULCE RODRIGUES
de DULCE RODRIGUES(Escritora)


AS PLANTAS NOSSAS AMIGAS

... e da nossa saúde

Ao longo de toda a minha vida, tenho sido uma apaixonada pela Natureza, pela sua grandeza e diversidade em geral, pelas plantas em particular. Talvez porque desde pequena, em casa dos meus pais, tivesse tido a sorte de dispor de um jardim, a verdade é que nunca consegui viver sem estar rodeada de árvores e flores, por mais pequeno que tivesse sido o bocado de terra que possuía, e apesar das várias vezes que mudei de casa... e de país!

Por toda a parte existe um bocado de terra à nossa espera, e quer as plantas que cultivamos, quer as que nascem espontaneamente nos campos, quase todas elas nos fornecem uma variada e riquíssima farmacopeia: elas fizeram parte da medicina primitiva, foi o homem que as colheu e experimentou.

Desde os tempos mais remotos que o uso das plantas com fins curativos é descrito em tratados de medicina, dos quais o mais antigo é a pequena placa de argila encontrada nas ruínas de Nippur, na antiga Suméria, e que se encontra hoje no Museu da Universidade de Filadélfia, nos Estados Unidos. Este documento histórico foi escrito por um médico sumério anónimo, que viveu nos fins do terceiro milénio a.C., e que decidiu legar por escrito aos seus colegas e alunos as suas melhores receitas médicas.

Também os Chineses, os Egípcios, e mais tarde os Gregos, nos legaram os seus escritos sobre as fantásticas propriedades medicinais de certas plantas. No seu famoso tratado Corpus Hippocraticu,, descreve Hipócrates - chamado o "pai da medicina" - as enfermidades conhecidas no seu tempo e apresenta, para cada uma delas, o respectivo tratamento com um remédio vegetal. Igualmente Dioscórides, outro Grego célébre, descreve no seu tratado De Materia Medica centenas de drogas de origem vegetal, assim como o não menos notável Galeno deixa o seu nome ligado à conhecida "farmácia galénica", que preconiza a utilização das plantas ao natural para determinados fins terapêuticos.

Todavia, a medicina natural científica só viria a ser definitivamente estabelecida com Paracelso, alquimista, médico e filósofo suíço do século XV-XVI.

Em Portugal, também houve grandes pioneiros da Botânica. É o caso de Avelar Brotero e sobretudo Garcia da Horta. Com o seu tratado Símplices e Drogas da Índia, este último revelou estudos científicos de grande importância, que na sua época lhe valeram renome internacional. E já cerca de cinquenta anos antes de Garcia da Horta, um minucioso trabalho de descrição de plantas tinha sido apresentado por Tomé Pires, natural de Leiria, que estivera na Índia durante o reinado de D. Manuel I.

Infelizmente, uma época existe na história da humanidade em que um certo "obscurantismo" reina, que aliado à "sede de lucro financeiro" tem levado ao declínio no uso das plantas como remédio eficaz contra certas doenças: os princípios activos que estão na base das suas propriedades curativas passaram a ser obtidos sinteticamente pela indústria química. Embora pareça que este facto só nos pode regozijar, a verdade é que, nas plantas, as várias substâncias activas encontram-se num estado físico-químico muito particular, libertam-se progressivamente no organismo e têm a incomparável vantagem de não provocarem os efeitos secundários dos medicamentos sintéticos com as mesmas propriedades.

Segundo dizia o célebre botânico sueco Carl von Linné, considerado o precursor da classificação das plantas com base nas características das suas flores, a flora portuguesa é uma síntese das floras de todo o mundo, o que não admira, visto que a diversidade das condições geográficas, geológicas e climatéricas do nosso país permite o desenvolvimento de espécies vegetais de quase todas as regiões do mundo. Se se soubesse aproveitar o que há de bom no país, Portugal seria o pomar, a horta e o jardim por excelência da Europa, senão do mundo inteiro. Infelizmente, nunca recebemos a educação necessária nesse sentido. Talvez o futuro nos ensine alguma coisa!

Esse seria o meu grande desejo para este terceiro milénio, e também que se realize a fusão da medicina moderna com a medicina tradicional, pelo menos no campo dos meios preventivos: afirmava Paracelso que "a tarefa do médico é estimular a resistência do corpo através de remédios naturais, a fim de que o organismo se cure a si próprio". Longe de mim a ideia de pretender fazer crer que as plantas medicinais podem substituir os remédios químicos em todas as doenças - estes continuam os únicos remédios para muitas delas, como a meningite e outras.

A minha satisfação será igualmente tanto maior quanto estes meus artigos possam incentivar mais pessoas a cultivar algumas destas maravilhosas plantas nossas amigas, quer para gozarem das suas salutares qualidades em infusões, decocções ou outros processos; quer para condimentarem os seus cozinhados ou, simplesmente, pelo seu perfume e pela beleza da sua folhagem e das suas flores.




Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Encontro com a NATUREZA Plantas e ervas
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Controle de Fenômenos da Natureza
» [FP] H. Kaufmann, Sebastian

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
G.P.S.C. de Montargil :: História e Património :: Sala da Cultura-
Ir para: