G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Tópicos similares
Últimos assuntos
» MUSEU ONLINE
Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

» MUSEU OINLINE
Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

» MUSEOLOGIA
Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

» JORNAL DOSSABORES
Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

» LITERATURA
Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Rádio TugaNet
Geo Visitors Map
Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 GENTE QUE ESCREVE

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: GENTE QUE ESCREVE   Qui Ago 25, 2011 4:46 pm

No encerramento
dos JOGOS LITERÁRIOS DE MONTARGIL 2011
Que a poesia seja um laço fraterno a nos unir, como unidas são nossas Pátrias.
Carolina Ramos(Brasil)

Photobucket

Mas POR QUÊ a “quadra popular” e o “conto curto”?
Quanto à “quadra popular”ou melhor à”quadra ao gosto popular”,porque se trata do género literário em que o povo melhor se expressou e expressa, construindo numa linguagem simples verdadeiras jóias da filosofia e da sociologia. Por entre montes e vales, serras aldeia e montes o povo continua a fazer-se ouvir:
À guerra não ligues meia/porque alguns grandes da terra/vendo a guerra em terra alheia/não querem que acabe a guerra.
Quatro linhas: palavras simples; verdade indesmentível.
E da QUADRA nasceu a TROVA que hoje é cultivada no Brasil como “obra de arte”.Não são a mesma coisa, há quem diga. A quadra ,referem ,pode ser feita sem métrica e com versos brancos, sem rima. Na verdade há quem faça versos sem que seja poeta , mas a quadra popular rege-se pelos mesmos princípios da Trova:




Photobucket
Carolina Ramos, uma autoridade na matéria, Presidente da Academia de Trovas do Brasil, diz-nos:
No Brasil, onde o Movimento Trovadoresco é bem intenso, a TROVA é um género considerado bastante popular. Chamamos de TROVA POPULAR ou POPULARIZADA, àquela que, ao perder a paternidade, caminha autónoma, sem o nome do autor, passando a ser de domínio público, ao virar folclore.
A definição de TROVA, aprovada pela UBT, União Brasileira de Trovadores, é a seguinte: “Composição poética, composta de 4 versos septisilábicos, rimando o 1º verso com o 3º e o 2º com o 4º verso, ABAB. E com sentido completo. Há outras disposições de rimas, porém a mais usada e admitida em Concursos, é a que segue o esquema ABAB. Há ainda as trovas de rima simples, que rimam apenas o 2º e o 4º verso, mas estas, mais fáceis de serem feitas, acabaram por serem excluídas dos certames, embora continuem válidas, se obedecerem os demais requisitos. O facto de terem apenas uma rima, pode lhes emprestar maior sentido popular, mas não o bastante para que sejam chamadas de Trovas POPULARIZADAS. Voltando à pergunta, no meu entender, a TROVA (denominação mais usada no Brasil) é a mesma QUADRA PORTUGUESA, tão popular em Portugal, quanto por aqui. E, para nós brasileiros, só deixará, de ser TROVA, quando distanciada dos requisitos essenciais, acima descritos. E, principalmente, se não disser tudo o que deva dizer, em apenas quatro versos.
E passando ao CONTO CURTO, digamos que é uma tentativa de levar os potenciais participantes a desenvolverem o tema em poucas palavras.

Entretanto, há um “género poético-popular” que me preocupa dado não se verificar o aparecimento de novos cultores. A DÉCIMA.

Será que se trata de uma modalidade em vias de extinção?
Aqui fica a opinião abalizada de FERNANDO MÁXIMO:Photobucket

A experiência de pertencer á organização dos Jogos Florais de Avis, leva-me a concluir que quem faz poesia em décimas são as pessoas de mais idade. As décimas são de difícil execução, têm regras fixas para serem elaboradas e para serem umas décimas bem feitas, não chega colocar as palavras que rimam no sítio onde é preciso rimar. Além de rimar as palavras têm que fazer sentido, têm que ter uma certa consistência de raciocínio e por vezes isso é difícil de acontecer.

Partindo de uma quadra, o mote, este é depois desenvolvido por mais quarenta versos, o que leva a que as décimas também sejam conhecidas pelos mais idosos como “obras de quarenta pontos”. Como disse atrás, as décimas antigamente eram feitas por quem passava o dia no campo com o gado e sozinho ia pensando nas agruras da vida. A maior parte desses fazedores de décimas não sabiam ler nem escrever. Mas sabiam as regras das décimas. E faziam-nas. E decoravam-nas. Ainda hoje há por aí muito poeta, infelizmente analfabetos, que sabem muitas décimas de cor e que se encontram apenas registadas nas suas memória



Photobucket
E aqui fica um exemplo com a qualidade a que
JOSÉ DA SILVA MÁXIMO
,nos habituou e que com a devida vénia fomos buscar
mesmo à vista DO CASTELO

De um para outro momento
Perde o homem o seu vigor;
Falta-lhe a força, o alento
P’ra fazer seja o que for.

Será que o homem é valente
Cada vez que necessita
E sempre que solicita
As forças que ainda sente?
Não será suficiente
A força do seu talento!
Se não está a cem por cento
Há sempre o inesperado,
Fica impossibilitado
De um para outro momento.

Passam anos, passam dias
Quase não se vai notando
Que o corpo se vai vergando
E vai perdendo energias;
São menos as alegrias,
E menor o seu valor,
O prazer se vira em dor
Com o avançar da idade,
P’ra trás fica a mocidade
Perde o homem o seu vigor.

Já teve uma vida sã,
Já foi forte e destemido,
Se hoje não está deprimido
Nunca se sabe amanhã;
Se a esperança não é vã,
Se tudo vem de contento,
A falta de deprimento
São forças que ainda tem,
Mas p’ra chegar mais além
Falta-lhe a força, o alento.

Sempre que isso lhe acontece
Ao perder sua energia
Fica de dia p’ra dia
Mais lento do que parece;
Tenta esquecer mas não esquece
Não sente o mesmo calor,
Até mesmo no amor
Nada há que o conforme,
Desenvolve o esforço enorme
P’ra fazer seja o que for![/size][/font]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: Ainda JOGOS LITERÁRIOS 2011   Qui Ago 25, 2011 8:02 pm

Destinadas ao"escerramento destes JOGOS LITERÁRIOS",algumas TROVAS enviadas por CAROLINA RAMOS



TROVAS

Prossegue a cantar! Insiste,
mesmo a sofrer e a chorar,Photobucket
que pior que um canto triste,
é uma vida sem cantar!
Luiz Otávio

Dos meus tempos mais risonhos,
descubro, agora os segredos:
- cabia um mundo de sonhos
no meu mundo de brinquedos!
João Freire Filho

Foi o amor que nos unia
tido como insensatez...
Mesmo assim, como eu queria
ser insensato outra vez!
José Tavares de Lima

Estrela do céu que eu fito,
se agora ela me fitar,
fala do amor infinito
que eu lhe mando neste olhar...
Luiz Otávio

Na carta, ao dizer-te quanto
a saudade me consome,
as reticências do pranto
quase apagaram meu nome
Carlos Guimarães

Pelas noites desoladas,
minha saudade, sem sono,
vai contando, em madrugadas,
os meus dias de abandono...
[/size][/font]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: praça da cultura 2011   Seg Set 05, 2011 2:08 pm

Praça da Cultura
um espaço de música, dança e poesia
Uma homenagem à Literatura

MONTARGIL: Um fim-de-semana culturalmente recheado, e podemos dizer que dc pleno sucesso, encerrou o ciclo de 13 eventos que em parceria com o Grupo de Promoção o Parque de Campismo Orbitur levou a efeito. Por certo, uma parceria para continuar.



Photobucket


Dia 3 de Setembro pelas 17,30,---e a esse e só a esse espectáculo nos referiremos--teve lugar o Praça da Cultura ,anualmente organizado para entrega dos prémios relativos aos Jogos Literários. O tema este ano foi a HONESTIDADE, e as modalidades a QUADRA POPULAR e o CONTO CURTO.
Mas este foi um espaço de cultura que podemos dizer ter sido de “música, dança e poesia”, tendo para isso contribuído este ano, a junção da Escola de Dança Impacto (Setúbal) na montagem do espectáculo, cuja primeira parte foi coreografada.

Photobucket
Foi um espectáculo inovador, que encantou todos quantos ao mesmo assistiram, pela diferença, pelo abrir de novos caminhos nas estradas da cultura.
A criatividade marcou ali encontro, e não obstante a interactividade verificada, refira-se que se tratou de um espectáculo planificado à distância---tanta como os quilómetros que distam de Montargil a Setúbal.

Refira-se ainda que este foi um espectáculo que não se pode , não se consegue explicar, ou se vê e sente, ou ficamo-nos pelo “magnífico” que escutámos.
Quanto às “cantigas”, e as “letras” também são “literatura”, foi oportunidade para escutarem algumas excelentes vozes.~
Photobucket
Foi na verdade uma excelente, uma bonita homenagem à Literatura, através de duas das suas vertentes.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: GENTE QUE ESCREVE   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
GENTE QUE ESCREVE
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Olha eu aqui, gente!
» Dúvidas Frequentes de Português
» Toda a Gente Me Diz Isso
» Nomes de personagens que os japoneses dariam aos filhos
» {OD} Shannon B. Gould Kempner & Tiberius Bellflower Shull

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
G.P.S.C. de Montargil :: História e Património :: Sala da Cultura-
Ir para: