G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Tópicos similares
Últimos assuntos
» MUSEU ONLINE
Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

» MUSEU OINLINE
Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

» MUSEOLOGIA
Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

» JORNAL DOSSABORES
Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

» LITERATURA
Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Rádio TugaNet
Geo Visitors Map
Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 AÇORDA DE FEIJÃO VERMELHO ( ? )

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
lino mendes
Admin


Número de Mensagens : 869
Data de inscrição : 27/06/2008

MensagemAssunto: AÇORDA DE FEIJÃO VERMELHO ( ? )   Sab Nov 13, 2010 8:11 pm

Açorda de feijão vermelho
________________________________________
uma receita



O meu pai gostava muito de açorda. Eu não e na casa dos meus pais, quando eu era pequeno, era prato pouco habitual, apesar do gosto do meu pai. Pão ensopado, um fio de azeite, um ovo. Associa-se a açorda ao Alentejo e a um certo pão que só se encontrará no Alentejo, mas há outras açordas também portuguesas, como se verá no final desta receita.
Quando era miúdo ia de comboio para o Algarve, com os meus pais, mas nunca parava do Alentejo. Salvo nas estações do Caminho de Ferro. Lembro uma, Funcheira, pela estranheza do nome. A primeira vez que fui ao Alentejo foi em 1972. Fui a Évora. Representar o Woyzeck num festival de teatro organizado pela Sociedade Operária Joaquim António de Aguiar. Eu era o Woyzeck. Voltei lá mais tarde, em 1976, integrado numa nova digressão do Teatro dos Estudantes. Percorremos o Alentejo da Reforma Agrária. Lembro-me de ter estado num monte alentejano, numa herdada transformada em Unidade Colectiva de Produção (UCP), em cuja casa-mãe flamejava (que verbo!) a bandeira do Partido Comunista.
No grupo - constituído por estudantes comunistas e estudantes não comunistas - tal manifestação político-partidária causou alguma polémica. Mesmo em 1976.
Lembro também que numa das noites que ali passamos (terá sido em Montargil?), a direcção da UCP ofereceu-nos um jantar, dito oficial. Desse jantar recordo o exagero dos pratos de carne que foram servidos - pelo menos três, entre os quais o ensopado de borrego - e principalmente uma passagem do discurso proferido pelo responsável da UCP. Disse ele, nesse discurso, que a direcção da cooperativa tinha consciência do exagero que era, em matéria de dieta alimentar, servir três pratos de carne a uma refeição, mas evocava os anos de fome que a generalidade dos trabalhadores alentejanos tinham sofrido como atenuante do banquete. Afinal, durante anos e anos, o sonho da festa fora o de uma dieta que incluísse um niquinho de carne.
Ainda hoje me comovo ao recordar este testemunho, que foi para mim uma lição e que agora serve para dar corpo a um exercício marcado pelo escritor Mário Cláudio no âmbito de um atelier de escrita que ele está a orientar em Serralves - escrever uma receita com uma linguagem dita literária. A receita é a da Açorda de Feijão Vermelho, que eu nunca provei.

Vamos então à Açorda de Feijão Vermelho com ovo cozido

INGREDIENTES
1 molho de coentros
2 a 4 dentes de alho
1 colher (sopa) bem cheia de sal grosso
4 colheres (sopa) de azeite
1,5 litro de água a ferver
400 g de pão caseiro (de trigo escuro, já duro)
2 ovos
e o feijão vermelho que sobrou da véspera

CONFECÇÃO
Coentros e dentes de alho reduzem-se a papa, com o sal. Rega-se a azeite e escalda-se com água a ferver. Mexe-se e prova-se com uma fatia de pão grande. Depois junta-se o pão que resta, o feijão vermelho que sobrou do guisado com chouriço da véspera e, por último, os ovos, previamente cozidos, esfarelados.

É diferente da açorda alentejana onde os ovos entram escalfados e onde, às vezes, aproveita-se uma água que serviu para cozer bacalhau. Mas sem bacalhau, como adverte a minha amiga Marta Parrado, jornalista e alentejana de Castro Verde. Esta açorda de feijão vermelho era prato usual na zona da Guarda, no tempo em que se aproveitava, com imaginação, a comida que sobrava. Terá sido "importada" do Alentejo para as Beiras pelos "ratinhos", os migrantes beirões que demandavam a Sul no tempo das ceifas.

Esta açorda tem um sabor, dizem, que sobreviverá na memória de quem, algum dia, prove iguaria assim. Uma iguaria que supera o prato que lhe dá origem ? o feijão vermelho guisado com chouriço. Tinha de ser vermelho, pois então.

* Exercício de Júlio Roldão elaborado no âmbito de um atelier de escrita orientado por Mário Cláudio entre Março e Junho de 2007
Fonte:Internet
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
AÇORDA DE FEIJÃO VERMELHO ( ? )
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Akai Ito - O fio vermelho do destino
» Nissan 350z - Nismo
» Nissan Stagea R34
» Novo no fórum
» Model Cars - Bruno Vieira

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
G.P.S.C. de Montargil :: Comunicação DIVULGAÇÂO :: Gastrononia :: Gastronomia-
Ir para: