G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Últimos assuntos
» MUSEU ONLINE
Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

» MUSEU OINLINE
Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

» MUSEOLOGIA
Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

» JORNAL DOSSABORES
Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

» LITERATURA
Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Rádio TugaNet
Geo Visitors Map
Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 RIMAS...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2
AutorMensagem
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: AMAR   Seg Jul 11, 2011 10:09 pm

Só quem gosta e ama
Sabe como queima a chama
De um forte sentimento.
Sentir o coração saltar
Temendo que possa parar
A todo e qualquer momento.

Uma vontade incessante
Que aumenta a cada instante
E nos rouba a razão.
Dizem que arde sem se ver
Vá lá a gente perceber
As coisas do coração.

É um perder de juízo
Achar que não é preciso
Ter qualquer contenção.
É nunca ver defeitos
Estar contra os preconceitos
E viver apenas a paixão.

É fazer versos de amor
Procurar com ardor
Até encontrara rima certa
Como para uma cantiga
E sentir essa coisa tão antiga
Que o amor nos desperta.

O amor é sentimento ancestral
Receita que cura todo o mal,
Poção mágica, sem preço
Ao alcance de toda a gente
E como não sou diferente
Tal remédio, também mereço.


Aníbal Lopes
Julho/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: QUEM ME QUIZER CONHECER   Dom Set 18, 2011 2:24 pm

QUEM ME QUISER CONHECER
TERÁ DE PERGUNTAR AO VENTO
E SABERÁ NESSE MOMENTO
QUE NEM TUDO SE PODE SABER.
MONTARGIL ME VIU NASCER
QUANDO NÃO ERA ESPERADO.
NÃO É FÁCIL APARECER
SEM TER SIDO CONVIDADO.
SONHEI GUITARRAS E VIOLINOS
MAS SÓ TIVE BRINQUEDOS DE PAPEL
COMO OS QUE NÃO FORAM MENINOS
TAMBÉM SENTI O GOSTO DO FEL.
EM MUITOS CAMINHOS ANDARILHO
ALGUNS QUE NÃO ESCOLHI
OUTROS ME IMPUSERAM O TRILHO
QUE OBEDIENTEMENTE SEGUI.
NEM SEMPRE FUI BEM RECEBIDO
NEM SEMPRE TIVE A PORTA ABERTA
MAS QUANDO A GENTE DESPERTA
JÁ NÃO SE SENTE TÃO PERDIDO.
MOREI EM MUITO LADO
E VAGUEEI ENTRE PINHAIS
FUI VENDEDOR DE JORNAIS
E MARÇANO DE SUPER-MERCADO.
JÁ MOREI NO ESTRANGEIRO
LÁ LONGE AO PÉ DO MAR
FUI AJUDANTE DE PEDREIRO
E CONSTRUÍ CASTELOS NO AR.
BEBI AGUA EM MUITAS FONTES
E TRACEI MUITAS METAS
JÁ MOREI EM MUITOS HORIZONTES
E UM DIA, NUM LIVRO DE POETAS.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: PARABÉNS   Dom Set 18, 2011 3:52 pm

Mais um belo poema de Anibal Lopes,que vai seguir em " Caravelas de Cultura" para Singrando Horizonte

Parabéns Aníbal

Um abraço

Lino
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Re: RIMAS...   Seg Set 19, 2011 4:51 pm

Obrigado pela simpatia, amigo Lino.
Um abraço.
Aníbal
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Cantiga à minha Terra   Qua Out 12, 2011 8:28 pm

Oh minha terra
que me viu nascer
por Deus quem me dera
em ti morrer

Oh minha terra
meu berço encantado
tenho cheiro da serra
no coração guardado

Oh minha terra
canteiro de amizade
tanta nostalgia se encerra
nesta minha saudade

Oh minha terra
caixinha de lembranças
onde não se faz guerra
semeiam-se esperanças



Oh minha terra
meu jardim florido
lembrança tão terna
de um coração sofrido

Outubro/2011
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Praça da Jorna   Sex Dez 09, 2011 11:18 pm


Não busquei lá trabalho
nem discuti o preço da jorna
mas nas lembranças que baralho
há muita memória que retorna

Gente apinhada na minha lembrança
procurando desesperada, o que fazer
rua cheia de pouca esperança
alguns voltando sem nada trazer

Deambulam sortudos de faina garantida
contrastando com os de fraca procura
todos fazendo pela vida
e a vida para todos sendo dura

Escolhe-se o braço mais forte
hábil no manejo do cabo da enxada
de fora ficam os da má sorte
herdeiros de uma alma magoada

Aluga-se força produtiva
sob a égide do manageiro
não chega a paga furtiva
a quem encheu o celeiro


Aníbal
Dez/11
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
lino mendes
Admin


Número de Mensagens : 869
Data de inscrição : 27/06/2008

MensagemAssunto: ANIBALLOPES   Dom Mar 18, 2012 3:17 am


Anibal Lopes
NOVOS HORIZONTES

Hoje escrevo uma nova melodia
Olhar diferente para este dia
E deixar-me envolver
Por uma nova chegada
Olhar a lua iluminada
E sentir como é bom viver

Quero bem alto gritar
No meio do silêncio vasto
Que o amor não se pode calar
Nem apagar-se-lhe o rasto

Quero esquecer a lágrima caída
E escrever uma nova poesia
Quero esquecer a alma sofrida
E cantar um hino à alegria

Quero esquecer a velha saudade
E comungar um novo sentir
Quero viver esta amizade
E tudo o que possa descobrir

Se é sonho, não quero acordar
Se é real, deixem-me sonhar
Mas quero viver o inesperado
Quero deixar-me envolver
Não tenho medo de sofrer
Nem de voltar ao passado

Aníbal Lopes/2011
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Re: RIMAS...   Sex Maio 18, 2012 2:03 pm

VIDA?... QUE VIDA?

A vida é uma silhueta distorcida,
Uma sombra quase indefinida
Que apenas sorri aos eleitos.
Só alguns abençoados
Foram pelas benesses tocadas.
Os outros, já nasceram com defeitos.

A vida pode vir num Murmúrio suave,
Mas tendo a morte como finalidade
Não vem sempre nova e exultante.
Trás consigo também desistência,
Não supõe assim tanta premência
Nem é de milagre resultante.

Dizem que a vida é obra divina,
Que é isso que a fé nos ensina.
Mas a divindade não acabou a obra;
A vida foi mal dividida
E depois de toda distribuída,
Ficaram demasiados de sobra.

No silêncio está a verdade da vida
Por isso há tanta voz suprimida,
E todo o ruido é subversivo.
A vida é um direito consentido,
O seu uso indiscriminado, proibido
E como tal, sujeito a castigo.

Aníbal/Maio 2012
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: O AMOR É NATURAL   Sab Ago 04, 2012 2:21 pm

A nostalgia de uma geração
que tanto cultivou a afeição,
sente-se hoje hostilizada
pelos génios da modernidade
que fabricam a felicidade
que vendem devidamente esterilizada.

Nascidos na sombra do engano
acabam por causar dano
com os seus valores fabricados.
Com falsos juízos de valor
dão outro sentido ao amor
sem a expressão pura dos apaixonados.

Tudo surge como fruto de pecado
e querem fazer-te culpado
da rua rebeldia de sentimentos.
Mas a sua existência frustrada
só pode ser ignorada
por tão ausente de fundamentos.

A sua tão frágil concepção
do que diz respeito ao coração,
parece-me irónica decadência.
O amor é simplesmente natural
tal como um alimento essencial,
mas o amor não é uma ciência.

Aníbal Lopes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: 9/8/2012   Sex Ago 10, 2012 5:25 pm




O AMOR É NATURAL

A nostalgia de uma geração
que tanto cultivou a afeição,
sente-se hoje hostilizada
pelos génios da modernidade
que fabricam a felicidade
que vendem devidamente esterilizada.

Nascidos na sombra do engano
acabam por causar dano
com os seus valores fabricados.
Com falsos juízos de valor
dão outro sentido ao amor
sem a expressão pura dos apaixonados.

Tudo surge como fruto de pecado
e querem fazer-te culpado
da rua rebeldia de sentimentos.
Mas a sua existência frustrada
só pode ser ignorada
por tão ausente de fundamentos.

A sua tão frágil concepção
do que diz respeito ao coração,
parece-me irónica decadência.
O amor é simplesmente natural
tal como um alimento essencial,
mas o amor não é uma ciência.

Aníbal Lopes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
linomendes



Número de Mensagens : 328
Data de inscrição : 16/06/2010

MensagemAssunto: 9/8/2012   Sex Ago 10, 2012 5:25 pm



O AMOR É NATURAL

A nostalgia de uma geração
que tanto cultivou a afeição,
sente-se hoje hostilizada
pelos génios da modernidade
que fabricam a felicidade
que vendem devidamente esterilizada.

Nascidos na sombra do engano
acabam por causar dano
com os seus valores fabricados.
Com falsos juízos de valor
dão outro sentido ao amor
sem a expressão pura dos apaixonados.

Tudo surge como fruto de pecado
e querem fazer-te culpado
da rua rebeldia de sentimentos.
Mas a sua existência frustrada
só pode ser ignorada
por tão ausente de fundamentos.

A sua tão frágil concepção
do que diz respeito ao coração,
parece-me irónica decadência.
O amor é simplesmente natural
tal como um alimento essencial,
mas o amor não é uma ciência.

Aníbal Lopes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Verso de agonia:   Ter Set 18, 2012 7:14 pm



A vida é um osso duro
para quem nasce sem futuro
nem maneira de lá chegar.
Sendo assim tão madrasta
esta vida que se arrasta
parece que veio para ficar.
É pois a vida uma armadilha
montada pela quadrilha
e destinada a um povo triste.
Mas esta vida sem amanho
e com dureza de tal tamanho
mudará pela vontade de quem resiste.

Aníbal Lopes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Re: RIMAS...   Qui Dez 13, 2012 2:17 am

VERSOS DE AMOR E PERDIÇÃO – POEMA DE SONHOS POR ACONTECER

Quantos gestos de afago
Que nas lembranças ainda trago
Sem que os consiga esquecer.
Quantos momentos de entrega
Que a minha memória carrega
Em cada novo amanhecer.

Quantos pensamentos dolorosos
Plenos de lágrimas, chorosos
Que não consigo aplacar.
Quantos sentimentos obstinados
Contra vontade enraizados
Sem que os consiga arrancar.

Quantos suspiros em tom magoado
Quantos desejos postos de lado
Mas lembrados a cada instante.
Quantas lágrimas de partida
Quanta dor escondida
Disfarçada mas não bastante.

Quantas sombras desesperadas
Quantas noites atormentadas
Sem conseguir apagar a chama
Que queima e não alivia
E enfrentar cada dia
Sem a paz que a alma clama.

Não há poção salvadora
Nem alquimia inovadora
Para as coisas do coração.
Não há magia eficaz
Nem nada que seja capaz
De tornar realidade uma ilusão.


Aníbal Lopes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aníbal



Número de Mensagens : 71
Localização : MORA
Data de inscrição : 30/10/2008

MensagemAssunto: Re: RIMAS...   Ter Out 08, 2013 2:17 pm

POEMA ACERBADO

Do terraço da minha lembrança
Vejo terrenas recordações
Onde as etéreas esperanças
Morrem na rua das desilusões.

O presságio repentino
De que o meu destino
Ia ser intempestivo,
Fez a minha esperança ruir,
A minha casa cair
Tal o seu poder destrutivo.

Falo de um tempo passado
Mas que deixou marcado
O calendário da minha vida
A nostálgica melancolia
Que me invade a cada dia,
É lembrança velha, mas sentida.

Agora espalho palavras ao vento
Até que me finde o talento
Ou a loucura me liberte.
Grito palavras abafadas
Frases estranguladas
Por um coração que verte.

Pouco me trouxe o presente
Nem nada que se apresente
Para além da minha pobreza.
Não tenho prata nem ouro
Nem rasto de tesouro
Nem qualquer outra riqueza.

Mas sou dono do horizonte
De mil e uma fonte,
Da lua e das estrelas.
Tenho sol no meu quintal,
Um sonho celestial,
Mas riquezas, nem vê-las

Os meus poderes são escassos
Para enfrentar a janela dos fracassos
Que só me oferecem sacrifícios.
Não tenho armas na bagagem
E esta falta de coragem
É mais rendição que armistício.

Aníbal Lopes

Outubro/2013
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: RIMAS...   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
RIMAS...
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 2 de 2Ir à página : Anterior  1, 2

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
G.P.S.C. de Montargil :: Eventos, Recreação e Cultura :: Poesia-
Ir para: