G.P.S.C. de Montargil
informação
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Tópicos similares
    Últimos assuntos
    » MUSEU ONLINE
    Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

    » MUSEU ONLINE
    Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

    » MUSEU ONLINE
    Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

    » MUSEU OINLINE
    Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

    » MUSEOLOGIA
    Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

    » JORNAL DOSSABORES
    Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

    » LITERATURA
    Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

    » O LIVRO
    Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

    » O LIVRO
    Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

    Buscar
     
     

    Resultados por:
     
    Rechercher Busca avançada
    Rádio TugaNet
    Geo Visitors Map
    Outubro 2017
    DomSegTerQuaQuiSexSab
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031    
    CalendárioCalendário

    Compartilhe | 
     

     Galinheiros, Produtividade e Racionalidade Económica

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
    AutorMensagem
    Luís Manso



    Número de Mensagens : 435
    Idade : 56
    Localização : Montargil
    Data de inscrição : 22/07/2008

    MensagemAssunto: Galinheiros, Produtividade e Racionalidade Económica   Qua Jun 30, 2010 2:51 am

    Galinheiros, Produtividade e Racionalidade Económica

    " Era uma vez um granjeiro[1] que criava galinhas. Era um granjeiro incomum, intelectual e progressista. Estudou administração para que sua granja funcionasse cientificamente. Não satisfeito, fez um doutorado em criação de galinhas. No curso de administração aprendeu que, num negócio, o essencial é a produtividade. O improdutivo dá prejuízo; deve, portanto, ser eliminado.
    Aplicado à criação de galinhas esse princípio se traduz assim: galinha que não bota ovo não vale a ração que come. Não pode ocupar espaço no galinheiro. Deve, portanto, ser transformada em cubinhos de caldo de galinha.

    Com o propósito de garantir a qualidade total de sua granja o granjeiro estabeleceu um rigoroso sistema de controlo da produtividade das suas galinhas. Produtividade de galinhas é um conceito matemático que se obtém dividindo-se o número de ovos botados pela unidade de tempo escolhida. Galinhas cujo índice de produtividade fossem iguais ou superiores a 250 ovos por ano podiam continuar a viver na granja como galinhas poedeiras. O granjeiro estabeleceu, inclusive, um sistema de "mérito galináceo": as galinhas que botavam mais ovos recebiam mais ração. As galinhas que botavam menos ovos recebiam menos ração. As galinhas cujo índice de produtividade fosse igual ou inferior a 249 ovos por ano não tinham mérito algum e eram transformadas em cubinhos de caldo de galinha.


    Acontece que conviviam, com as galinhas poedeiras, galináceos peculiares que se caracterizavam por um hábito curioso. A intervalos regulares e sem razão aparente, eles esticavam os pescoços, abriam os bicos e emitiam um ruído estridente e, ato contínuo, subiam nas costas das galinhas, seguravam-nas pelas cristas com o bico, e obrigavam-nas a se agachar. Consultados os relatórios de produtividade, verificou o granjeiro que isso era tudo o que os galos – esse era o nome daquelas aves – faziam. Ovos, mesmo, nunca, jamais, em toda a história da granja, qualquer deles havia botado. Lembrou-se o granjeiro, então, das lições que aprendera na escola, e ordenou que todos os galos fossem transformados em cubos de caldo de galinha.
    As galinhas continuaram a botar ovos como sempre haviam botado: os números escritos nos relatórios não deixavam margens a dúvidas. Mas uma coisa estranha começou a acontecer. Antes, os ovos eram colocados em chocadeiras e, ao final de vinte e um dias eles se quebravam e de dentro deles saíam pintinhos vivos. Agora, os ovos das mesmas galinhas, depois de vinte e um dias, não quebravam. Ficavam lá, inertes. Deles não saíam pintinhos. E se ali continuassem por muito tempo, estouravam e de dentro deles o que saia era um cheiro de coisa podre. Coisa morta.
    Aí o granjeiro científico aprendeu duas coisas:

    Primeiro: o que importa não é a quantidade dos ovos; o que importa é o que vai dentro deles. A forma dos ovos é enganosa. Muitos ovos lisinhos por fora são podres por dentro.

    Dois: há coisas de valor superior aos ovos, que não podem ser medidas por meio de números. Coisas sem as quais os ovos são coisas mortas."

    Rubem Alves
    [1] Rendeiro ou caseiro de uma herdade. (N. do E.)
    Posted by JMA at 12:45 AM
    Labels: Estórias, produtividade, racionalidade

    http://terrear.blogspot.com/2010/06/galinheiros-produtividade-e.html
    Voltar ao Topo Ir em baixo
    Ver perfil do usuário
     
    Galinheiros, Produtividade e Racionalidade Económica
    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
    Página 1 de 1
     Tópicos similares
    -
    » Masks and Corrupcion[Missão Dinâmica Média - Katherine Davenport]

    Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
    G.P.S.C. de Montargil :: Comunicação DIVULGAÇÂO :: Diga de sua justiça-
    Ir para: